Networking

/ Archive for May, 2015

66% dos transmontanos rejeitam medicação prescrita pelo médico

Tuesday, May 26th, 2015

Medicamentos foto

Estudo da UTAD/CITAB revela ainda que maioria dos incumpridores sofre de doenças crónicas e que 8% da população está impossibilitada de comprar medicamentos por falta de recursos económicos.

66% dos residentes nos distritos de Vila Real e Bragança rejeitam a toma de medicamentos prescritos pelo médico e, destes, 63% são portadores de doenças crónicas. Os dados fazem parte de uma dissertação de mestrado, desenvolvida na UTAD, e que constitui o primeiro trabalho sobre a adesão à terapêutica na população transmontana alguma vez desenvolvido.

‚ÄúS√£o valores preocupantes. H√° doen√ßas que n√£o podem deixar de ser tratadas, sob o risco de porem em causa a seguran√ßa dos doentes e de outras pessoas, nomeadamente as doen√ßas cardiovasculares e mentais‚ÄĚ, alerta Paula Oliveira, investigadora do CITAB. Al√©m disso, a tamb√©m orientadora da disserta√ß√£o frisa que a pr√°tica ‚Äúimplica um maior recurso aos cuidados de sa√ļde e gastos acrescidos no sistema nacional de sa√ļde e para os pr√≥prios doentes‚ÄĚ.

Os dados apurados adiantam que 42% dos inquiridos deixam de tomar a medica√ß√£o devido a efeitos secund√°rios ou rea√ß√Ķes adversas e que 18% interrompem o tratamento por n√£o sentirem melhorias. J√° 8% da popula√ß√£o n√£o cumpre a medica√ß√£o por falta de recursos econ√≥micos.

Além disso, a toma de vários medicamentos é responsável por 6,1% do incumprimento e 5,2% das falhas na toma resultam da complexidade do tratamento, que dificulta a toma da medicação de acordo com a prescrição médica.

‚ÄúQuisemos avaliar a preval√™ncia e a natureza da falta de ades√£o aos medicamentos, e quais os fatores que lhe est√£o associados. Conclu√≠mos que s√£o os baixos rendimentos econ√≥micos, a idade avan√ßada e uma baixa literacia os respons√°veis por uma fraca ades√£o √† terap√™utica‚ÄĚ, revela Paula Oliveira.

Participaram na amostra 1500 pessoas, 900 mulheres e 600 homens, com uma média de idades de 56 anos, residentes na região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

O estudo identificou ainda os medicamentos genéricos como mais um fator determinante na influência na adesão à terapêutica.

‚ÄúPara o mesmo princ√≠pio ativo existem diferentes embalagens, comercializadas pela mesma farmac√™utica, o que pode induzir confus√£o nos doentes,‚ÄĚ explica a investigadora.

Dos inquiridos que optaram pelo medicamento gen√©rico, 70% referiram que a embalagem mudou nos seis meses anteriores e que quando tiveram d√ļvidas sobre se se tratava do mesmo f√°rmaco, 45% suspenderam a medica√ß√£o.

Os dados foram recolhidos em institui√ß√Ķes prestadoras de cuidados de sa√ļde, como o Centro Hospitalar de Tr√°s-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, e centros de sa√ļde e farm√°cias comunit√°rias da regi√£o.

O question√°rio aplicado contemplou ‚Äúa caracteriza√ß√£o sociodemogr√°fica da popula√ß√£o, identifica√ß√£o da doen√ßa base, atitudes face ao tratamento e ao uso de medicamentos, an√°lise da rela√ß√£o entre doentes/profissionais e servi√ßos de sa√ļde e avalia√ß√£o da influ√™ncia dos medicamentos gen√©ricos na ades√£o √† terap√™utica‚ÄĚ, esclarece a investigadora do CITAB.

O estudo ‚ÄúIdentifica√ß√£o dos fatores que influenciam a ades√£o √† terap√™utica: a realidade transmontana‚ÄĚ, de Simone Moura, mestre em Biotecnologia para as Ci√™ncias da Sa√ļde da UTAD, com a orienta√ß√£o de Paula Oliveira, √© o primeiro trabalho realizado sobre o tema.

‚ÄúPretendemos que sirva de base para a implementa√ß√£o de boas pr√°ticas com o objetivo de reverter esta situa√ß√£o‚ÄĚ referem Paula Oliveira e Simone Moura, que adiantam que foi criado ‚Äúum folheto esclarecedor sobre a import√Ęncia que tem para o doente o cumprimento da prescri√ß√£o m√©dica‚ÄĚ.

O folheto vai ser distribu√≠do pelas farm√°cias e entidades prestadoras de cuidados de sa√ļde.

Os resultados do trabalho vão ser ainda apresentados em congressos nacionais e publicados em revistas científicas nacionais e internacionais.

Rega deficitária do olival aumenta produção e qualidade do azeite

Thursday, May 21st, 2015

O estudo desenvolvido no Vale da Vilariça, em Vila Flor, conclui que a rega deficitária aumenta a produção e a qualidade do azeite

Resultados do estudo em que o CITAB/UTAD participa v√£o ser apresentados num Workshop, no dia 5 de junho, em Vila Flor.

A rega deficit√°ria do olival √© uma aposta a considerar no curto/m√©dio prazo, com resultados positivos na produ√ß√£o e na qualidade do azeite, devido √† escassez dos recursos h√≠dricos e ao custo da √°gua. A conclus√£o √© de um estudo desenvolvido por investigadores de quatro institui√ß√Ķes portuguesas de ensino superior.

‚ÄúOs par√Ęmetros f√≠sico-qu√≠micos de qualidade do azeite, como a acidez, o √≠ndice de per√≥xidos, entre outros, n√£o s√£o afetados pelo tipo de rega. J√° o teor em polifen√≥is foi superior nos tratamentos de rega deficit√°ria, o que se traduz em azeites mais amargos e picantes‚ÄĚ, revela a investigadora Anabela Fernandes Silva, do CITAB, e coordenadora do projeto na UTAD.

O estudo, desenvolvido em parceria entre o CITAB/UTAD, a Escola Superior Agr√°ria de Bragan√ßa (ESAB), a Universidade de √Čvora e o Instituto de Ci√™ncias Tecnol√≥gicas Agr√°rias, decorreu na Quinta do Carrascal, da empresa VIAZ, situada no Vale da Vilari√ßa, em Vila Flor.

A investiga√ß√£o teve como objetivo principal avaliar ‚Äúos efeitos de diferentes estrat√©gias de rega deficit√°ria em compara√ß√£o com a rega m√°xima nas rela√ß√Ķes h√≠dricas da planta, na resposta vegetativa e produtiva, assim como na qualidade do azeite, com vista √† gest√£o sustent√°vel do uso da √°gua de rega no olival‚ÄĚ, explica Anabela Fernandes Silva.

Os efeitos da estrat√©gia de rega na efici√™ncia da colheita mec√Ęnica da azeitona e na eros√£o h√≠drica do solo foram tamb√©m avaliados no estudo.

‚ÄúNo que concerne √† colheita mecanizada, capacidade de trabalho, for√ßa de destaque dos frutos e peso n√£o foram detetadas diferen√ßas entre as diferentes dota√ß√Ķes de rega aplicadas‚ÄĚ garante Arlindo Almeida, da ESAB.

Al√©m disso, a equipa de investigadores percebeu que o conte√ļdo em azeite obtido foi superior quando a quantidade de √°gua de rega foi reduzida para metade, em rela√ß√£o √† rega m√°xima, o que poder√° ser um mecanismo da planta para recuperar a produ√ß√£o em azeite.

Por outro lado, ‚Äúa redu√ß√£o de √°gua da rega durante os meses de ver√£o provocou uma diminui√ß√£o do peso das azeitonas e tamb√©m na rela√ß√£o polpa/caro√ßo. Mas, na colheita, em novembro, estas diferen√ßas deixam de existir, em consequ√™ncia das chuvas outonais‚ÄĚ, indica Anabela Fernandes Silva, do CITAB.

Os resultados do projeto ‚ÄúRega deficit√°ria na oliveira na regi√£o da Terra Quente Transmontana (IrrigOlive)‚ÄĚ v√£o ser apresentados num Workshop a decorrer no dia 5 de junho, no Audit√≥rio da C√Ęmara Municipal de Vila Flor.

‚ÄúA divulga√ß√£o vai permitir aos agentes da fileira a ado√ß√£o de medidas enquadradas na melhoria dos rendimentos, da produ√ß√£o e da qualidade do olival e da azeitona,‚ÄĚ assegura a tamb√©m docente do Departamento de Agronomia da UTAD.

S√£o esperados respons√°veis de institui√ß√Ķes e empresas ligadas √† agricultura, t√©cnicos e produtores. A participa√ß√£o √© gratuita mas sujeita a inscri√ß√£o atrav√©s do e-mail tsantos@utad.pt ou do telefone 259 350 410, at√© 2 de junho de 2015.

9 Master Grants Available | CITAB

Tuesday, May 19th, 2015

edi_novo_arvorescores_edited

We are pleased to announce that there are 9 Grants for Masters available in our research centre, on the areas of Agricultural Sciences (3), Biology (3), Environmental Sciences (1) and Engineering (2).

Applications will be received from 28th May until 11th June 2015. Please check further information concerning this offers at ERA Careers.

5 Post-Doctoral Positions Available | CITAB

Monday, May 18th, 2015

We are pleased to announce that there are 5 Post-Doctoral Grants available in our research centre, on the areas of Environmental Sciences (1), Agricultural Sciences (1), Engineering (1), Chemistry (1) and Animal and Veterinary Sciences (1).

Each grant has a 12-month extent, starting in July 2015, and may be renewed up to a maximum of months in accordance with current legislation and financial availability (subject to FCT funding).

UTAD-01021peq

The grants correspond to a monthly-paid stipend of 1,495 euros according to the FCT payment table in Portugal (http://alfa.fct.mctes.pt/apoios/bolsas/valore).

Applications will be received from 28th May until 11th June 2015. This offers are also available at ERA Careers.

Laboratório de Ecologia Fluvial certificado com norma ISO 9001

Thursday, May 14th, 2015

Laboratorio de Ecologia FluvialO Laboratório de Ecologia Fluvial (LEF), coordenado pelo Vice-Diretor do CITAB Rui Cortes, é o primeiro laboratório da UTAD a estar certificado com a norma ISO 9001, que permitirá a realização de serviços para o exterior, tanto em Portugal como a nível internacional, no domínio da avaliação, amostragem e monitorização dos recursos hídricos (rios e albufeiras).

Esta estratégia faz parte dos objetivos do CITAB e o centro já está a trabalhar para a certificação da norma ISO 17025 para o reconhecimento de técnicas de colheita de material biológico nas águas superficiais.

A nossa Unidade agradece especialmente ao Eng. Joaquim de Jesus, pelo envolvimento nos aspetos burocr√°ticos no √Ęmbito do projeto LABQUALITY.

Contactos LEF:

E-mail: lef@utad.pt

Website: http://lefutad.weebly.com/

Facebook: facebook.com/lefutad

Morada: Blocos Laboratoriais

Bloco 1 | Piso 3 | Sala C 3.10

Quinta de Prados

5001-801 Vila Real | Portugal

Telefone: (+351) 259 350 917 | Ext: 4917

Um em cada quatro incêndios florestais ocorre em áreas já ardidas

Tuesday, May 5th, 2015

O investigador do CITAB José Aranha defende a aposta em florestas mistas no territorio nacional para combater incendios e pragas

Estudo do CITAB conclui que 25% dos fogos florestais acima do rio Douro ocorre duas vezes no mesmo local, num período de 10 anos.

Um em cada quatro inc√™ndios florestais a norte do rio Douro ocorre em √°reas j√° queimadas nos dez anos anteriores. A conclus√£o √© do investigador do CITAB, Jos√© Aranha, no √Ęmbito da orienta√ß√£o de uma tese de doutoramento, que defende que a solu√ß√£o passa pelo planeamento e ordenamento do territ√≥rio e pela instala√ß√£o de florestas mistas.

‚ÄúEste estudo prova que s√£o inc√™ndios recorrentes e que os povoamentos monocultura, que s√£o os mais comuns em Portugal, s√£o mais propensos quer aos fogos, porque t√™m continuidade espacial do combust√≠vel, quer ao ataque de pragas florestais‚ÄĚ, defende Jos√© Aranha.

O termo ‚Äúfloresta mista‚ÄĚ √© utilizado para designar florestas de √°rvores resinosas (como o pinheiro bravo) e de folhosas (carvalhos ou castanheiros). A floresta portuguesa √© plantada em mono cultura, sendo as principais manchas, e as mais preocupantes, as de eucalipto e de pinheiro bravo.

‚ÄúDo ponto de vista ambiental, dever√≠amos apostar em florestas mistas pois a presen√ßa de v√°rias esp√©cies de √°rvores fomenta a biodiversidade, o abrigo e a alimenta√ß√£o das esp√©cies animais‚ÄĚ, justifica Jos√© Aranha. ‚ÄúMas tamb√©m do ponto de vista comercial, para obtermos rendimentos financeiros desfasados no tempo (porque as taxas de crescimento e os produtos s√£o diferentes) e porque poderiam reunir melhores condi√ß√Ķes para a defesa da floresta quer em termos de inc√™ndios, quer contra pragas‚ÄĚ, sintetiza.

Na esmagadora maioria dos inc√™ndios florestais, quando h√° um fen√≥meno de destrui√ß√£o, desaparece um povoamento inteiro. No entanto, segundo o especialista, ‚Äúas florestas mistas tamb√©m s√£o muito mais dispendiosas e dif√≠ceis de manter, pelo tipo de gest√£o que requerem‚ÄĚ.

Estratégia deve passar pela criação de modelos de cálculo de perigo de fogo adaptados a cada região

‚ÄúO correto ordenamento florestal, a gest√£o florestal (controlo de matos, desbaste regular das √°rvores e instala√ß√£o de novos povoamentos mistos, bem como a manuten√ß√£o dos caminhos florestais) e a instala√ß√£o de povoamentos com a predefini√ß√£o do perigo de inc√™ndio daquela zona, permitia-nos minimizar o efeito dos fogos‚ÄĚ, alerta Jos√© Aranha.

Atrav√©s do c√°lculo dos √≠ndices de perigo de inc√™ndio, adaptados e calibrados para as v√°rias regi√Ķes, em vez da utiliza√ß√£o de um modelo para o pa√≠s todo, os investigadores poderiam centrar as aten√ß√Ķes nas zonas onde o perigo √© maior, desenhando programas de ordenamento e de gest√£o florestal que possibilitariam minimizar o perigo de essas √°reas voltarem a arder.

Portugal regista mais de um ter√ßo do n√ļmero de inc√™ndios total da Europa

Na mesma linha de investiga√ß√£o, um outro estudo conduzido com a colabora√ß√£o dos investigadores do CITAB M√°rio Gonzalez Pereira e Mallik Amraoui, que incidiu sobre v√°rios pa√≠ses do Mediterr√Ęneo (al√©m de Portugal, Espanha, It√°lia, Gr√©cia e Fran√ßa), permitiu aos especialistas conhecer as din√Ęmicas dos fogos, a recorr√™ncia e qual o tipo de vegeta√ß√£o que mais arde.

O mesmo estudo revela ainda que Portugal tem mais de um ter√ßo do n√ļmero total de inc√™ndios da Europa e um pouco menos de um ter√ßo do total de √°rea ardida.

Segundo dados da Uni√£o Europeia, no per√≠odo entre 2000 e 2013, verificaram-se quase 19 mil fogos florestais nos pa√≠ses da Bacia do Mediterr√Ęneo (Portugal, Espanha, Fran√ßa, It√°lia e Gr√©cia), sendo que mais de 10 mil (53,4%) ocorreram em Portugal continental. Em termos de √°rea ardida, contabilizaram-se quase 3,5 milh√Ķes de hectares ardidos, dos quais 1,3 milh√Ķes (37,7%) foram em territ√≥rio continental.

‚Äú√Č um valor muito elevado que ainda √© mais exacerbado se tivermos em conta a relativa pequena dimens√£o do pa√≠s face aos outros pa√≠ses com que estamos aqui a comparar, nomeadamente com Espanha,‚ÄĚ refere M√°rio Gonzalez. Tendo em conta a dimens√£o de Portugal continental, este valor corresponde a 14,7% do territ√≥rio nacional.