Networking

/ Archive for July, 2015

√Ārea ardida em Portugal ter√° redu√ß√£o dr√°stica se houver preven√ß√£o de inc√™ndios

Monday, July 27th, 2015

Com vários cursos na área florestal e ambiental e um corpo docente e de investigadores muito ativo na temática dos fogos a UTADA conclusão é de um estudo coordenado, em Portugal, pelo investigador do CITAB/UTAD e especialista em incêndios, Paulo Fernandes. Políticas deveriam apostar muito mais na prevenção dos incêndios para reduzir a área ardida.

Portugal √© o pa√≠s do mundo onde uma aposta na preven√ß√£o dos fogos florestais daria mais retorno, com uma redu√ß√£o dr√°stica da √°rea ardida. √Č a conclus√£o de um estudo internacional, coordenado, em Portugal, pelo especialista em fogos florestais, Paulo Fernandes.

‚ÄúUma interven√ß√£o na vegeta√ß√£o para prevenir um inc√™ndio, num √ļnico hectare, em Portugal, reduz um hectare queimado no futuro. Pode parecer trivial, como uma substitui√ß√£o, mas √© um valor muito alto. Por exemplo, na Austr√°lia, na floresta de eucalipto, √© preciso intervir em tr√™s ou quatro hectares para reduzir a √°rea ardida por inc√™ndio num hectare‚ÄĚ, elucida o investigador do Centro de Investiga√ß√£o e de Tecnologias Agroambientais e Biol√≥gicas (CITAB), da Universidade de Tr√°s-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Paulo Fernandes.

O estudo abrangeu 10 √°reas com diferente clima e vegeta√ß√£o em Portugal, Espanha, Estados Unidos da Am√©rica, Canad√°, √Āfrica do Sul e Austr√°lia e ‚Äú√© bastante representativo das regi√Ķes do mundo mais problem√°ticas em termos de inc√™ndios‚ÄĚ, refere o perito.

Segundo a investigação, a área que arde dentro das fronteiras nacionais é muito mais determinada pelo passado do que qualquer outra região em análise.

‚ÄúO teste √†s medidas de preven√ß√£o d√°-se quando um inc√™ndio encontra uma √°rea convenientemente tratada. Quanto maior for a √°rea ardida, maior √© a probabilidade de tais encontros acontecerem, mas em Portugal a redu√ß√£o de √°rea ardida causada pela interven√ß√£o √© superior √† que seria de esperar‚ÄĚ, explica Paulo Fernandes.

UTAD e CITAB têm equipa multidisciplinar dedicada aos incêndios que pode ajudar o governo num projeto de prevenção nacional

Com v√°rios cursos na √°rea florestal e ambiental e um corpo docente e de investigadores muito ativo na tem√°tica dos fogos, ‚Äúa UTAD tem todas as condi√ß√Ķes para servir nesta √°rea, que consideramos de interesse nacional‚ÄĚ, salienta o especialista.

‚ÄúSe todos os anos intervirmos estrategicamente em cerca de 5% de um determinado territ√≥rio, com o passar do tempo, vamos ter o pa√≠s adequadamente protegido dos fogos florestais‚ÄĚ, declara Paulo Fernandes, que acrescenta que, ‚Äú√† escala nacional, e considerando as regi√Ķes com risco de inc√™ndio elevado, estamos a falar de cerca de 75 mil hectares por ano‚ÄĚ.

As interven√ß√Ķes para a preven√ß√£o de inc√™ndios, que podem ser comparticipadas por fundos comunit√°rios, apresentam custos desde os 50 euros por hectare, com a t√©cnica de fogo controlado, at√© aos mil euros, com meios mec√Ęnicos, ‚Äúdependendo muito das carater√≠sticas e condi√ß√Ķes do terreno, se √© floresta ou mato, plano ou inclinado‚ÄĚ, adverte Paulo Fernandes.

Outras t√©cnicas passam pelo pastoreio ou pela altera√ß√£o da composi√ß√£o florestal, com maior presen√ßa de esp√©cies que ardam com mais dificuldade, nomeadamente por criarem condi√ß√Ķes mais h√ļmidas.

Segundo o investigador do CITAB, este estudo mostra que h√° um caminho alternativo √† ‚Äúaposta dos governos portugueses, que tem sido muito reativa, porque a resposta pol√≠tica a um ano mau de inc√™ndios √© refor√ßar o combate, apesar de se dizer sempre que o problema √© a falta de preven√ß√£o.‚ÄĚ

Na opini√£o de Paulo Fernandes, as prioridades de atribui√ß√£o de financiamento deveriam ser ‚Äúrepensadas‚ÄĚ e o investimento dado √† preven√ß√£o deveria ser ‚Äúsubstancialmente maior‚ÄĚ.

O artigo completo pode ser consultado aqui.

Perigos dos micropl√°sticos e dos f√°rmacos preocupam ambientalistas

Monday, July 20th, 2015

Investigadores e alunos da área do ambiente da UTAD fazem recolhas periódicas de peixes para análise dos contaminantes e da qualidade da água

Alta toxicidade, elevadas concentra√ß√Ķes dos contaminantes e riscos para a sa√ļde estiveram no centro da discuss√£o de investigadores de todo o mundo num congresso que decorreu na UTAD.

Os perigos dos micropl√°sticos e dos f√°rmacos est√£o a preocupar os investigadores da √°rea do ambiente, a n√≠vel mundial. Os receios foram expressos durante a √ļltima edi√ß√£o do Congresso Ibero-americano de Contamina√ß√£o e Toxicologia Ambiental (CICTA), que decorreu na Universidade de Tr√°s-os-Montes e Alto Douro (UTAD), e est√£o relacionados, no caso dos micropl√°sticos, com a quantidade de part√≠culas encontradas no ambiente e em diversos alimentos e produtos, e com doen√ßas, como o cancro, que os f√°rmacos podem provocar, ao contaminar a √°gua, o ar e o solo.

‚ÄúT√™m sido detetadas concentra√ß√Ķes surpreendentes de micropl√°sticos no ambiente, quer na √°gua, quer no ar. Por exemplo, h√° cursos de √°gua que recebem 5 mil milh√Ķes destas part√≠culas por dia. O principal problema √© sabermos que os micropl√°sticos t√™m um potencial elevado de toxicidade para todos os organismos‚ÄĚ, revela a investigadora do Centro de Investiga√ß√£o e de Tecnologias Agroambientais e Biol√≥gicas (CITAB), Sandra Mariza Monteiro, e membro da organiza√ß√£o.

Os micropl√°sticos s√£o pl√°sticos de uma dimens√£o reduzida, at√© 5 mil√≠metros, que est√£o presentes em v√°rios alimentos e objetos do dia-a-dia: frutas e hort√≠colas, vestu√°rio, pneus, entre outros. No Homem, s√£o j√° conhecidos os efeitos de acumula√ß√£o nos pulm√Ķes, com dificuldades de expuls√£o pelo organismo.

Algumas das comunica√ß√Ķes ressalvaram o potencial de transmiss√£o dos efeitos destes contaminantes √†s gera√ß√Ķes futuras, tanto no Homem como nos restantes animais.

‚ÄúUma das comunica√ß√Ķes apresentadas, alertou para o facto de, que na primeira lavagem de pe√ßas de vestu√°rio, as emiss√Ķes de part√≠culas de micropl√°stico podem chegar √†s 270 mil, por litro‚ÄĚ, exemplifica Sandra Mariza Monteiro.

Tamb√©m f√°rmacos como os antidepressivos, as p√≠lulas ou os anest√©sicos, t√™m sido detetados no ambiente com ‚Äúefeitos nefastos nos organismos, desde v√°rios tipos de cancro, a altera√ß√Ķes no sistema reprodutor, mudan√ßas no comportamento social, aumento da obesidade e de problemas cong√©nitos, at√© doen√ßas neurodegenerativas cuja frequ√™ncia tem vindo a aumentar,‚ÄĚ explica a investigadora do CITAB.

O CICTA decorreu entre 14 e 17 de julho na UTAD, com a participação de cerca de 180 investigadores oriundos de Portugal, Espanha, Holanda, Reino Unido, Canadá, Brasil, Costa Rica, México, entre outros, e com o apoio dos alunos do primeiro e do segundo ciclo da área do ambiente (Licenciatura em Ciências do Ambiente e Mestrado em Engenharia do Ambiente).

A s√©tima edi√ß√£o do congresso foi subordinada ao tema ‚ÄúSustentabilidade Ambiental: Uma Vis√£o para o Futuro‚ÄĚ, e teve como objetivo refletir sobre a import√Ęncia do uso sustent√°vel dos recursos naturais e da preserva√ß√£o das esp√©cies e respetivos habitats, de forma a n√£o comprometer o futuro do planeta.

Com o lançamento de cada vez mais e novos fármacos, para humanos e para animais, o uso generalizado de agroquímicos e a utilização massiva de plástico, os investigadores alertam para a necessidade de uma aposta clara em estudos que avaliem os riscos associados a estes compostos.

A próxima edição, a decorrer em 2017, em Madrid, Espanha, vai, por isso, seguir a mesma linha temática e estrutura.

‚ÄúO que mais apreciei neste congresso foi a presen√ßa de oradores de topo, n√£o s√≥ dos investigadores da UTAD, mas tamb√©m dos representantes vindos de todo o mundo, de grande qualidade, e admiro o esfor√ßo que a organiza√ß√£o fez em convidar oradores dos Estados Unidos e de outros pa√≠ses,‚ÄĚ salienta o coorganizador do pr√≥ximo CICTA e investigador do Instituto de Diagn√≥stico Ambiental e Estudos da √Āgua (IDAEA), de Barcelona, Espanha, Carlos Barata.

Tamb√©m o investigador Vance Trudeau, da Universidade de Otava, Canad√°, destaca ainda ‚Äúa forma como o congresso est√° organizado, que concede um grande espa√ßo √† discuss√£o. Quando regressarmos, vamos com certeza continuar em contacto e iniciar colabora√ß√Ķes e grupos de trabalho.‚ÄĚ

Entre as possibilidades, estar√° um projeto com a investigadora Ana Coimbra, do CITAB, que vai continuar a estudar os efeitos de f√°rmacos no sistema reprodutor e no desenvolvimento sexual de peixe-zebra, um dos modelos animais mais usados na atualidade para o estudo de doen√ßas humanas e de toxicologia, com o objetivo de identificar consequ√™ncias que estes compostos poder√£o ter nas gera√ß√Ķes futuras.

Congresso Internacional da UTAD alerta para os novos contaminantes da √°gua, ar e solo

Tuesday, July 14th, 2015

CARTAZ CICTA 14-17 julho 2015 UTAD

Investigadores participantes no CICTA vão apresentar estudos sobre alguns dos mil a dois mil novos poluentes que surgem todos os anos. Evento decorre até sexta-feira, na academia transmontana.

Os cerca de mil a dois mil novos poluentes que surgem todos os anos e as necessidades de deteção de novos indicadores e avaliadores de contaminação, como os fármacos e os agroquímicos, e de novas técnicas de requalificação ambiental, especialmente a nível da descontaminação dos solos e dos recursos hídricos, são os principais destaques do Congresso Ibero-americano de Contaminação e Toxicologia Ambiental (CICTA), que arranca hoje na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Um evento que se assume como um dos principais fóruns de discussão do setor e dos poucos que estabelece interação entre a contaminação de água, do ar e do solo.

‚ÄúO principal enfoque do CICTA √© a dete√ß√£o de contaminantes nos tr√™s meios, √°gua, ar e solo, os mecanismos associados com a sua circula√ß√£o e o efeito nos seres vivos,‚ÄĚ sintetiza o investigador do Centro de Investiga√ß√£o e de Tecnologias Agroambientais e Biol√≥gicas (CITAB), Rui Cortes.

O especialista em ecologia fluvial frisa ainda o ‚Äúespecial destaque concedido √†s subst√Ęncias emergentes‚ÄĚ, ou seja, contaminantes que apesar de apresentarem concentra√ß√Ķes extremamente reduzidas no meio ambiente, t√™m um papel relevante na altera√ß√£o do equil√≠brio ecol√≥gico e na sa√ļde humana.

A s√©tima edi√ß√£o do congresso √© subordinada ao tema ‚ÄúSustentabilidade Ambiental: Uma Vis√£o para o Futuro‚ÄĚ, e tem como objetivo refletir sobre a import√Ęncia do uso sustent√°vel dos recursos naturais e da preserva√ß√£o das esp√©cies e respetivos habitats, de forma a n√£o comprometer o futuro do planeta.

‚ÄúO CICTA n√£o se limita √† caracteriza√ß√£o dos contaminantes, procura antes meios efetivos para limitar os seus efeitos perniciosos: h√° v√°rias comunica√ß√Ķes que apresentam processos inovadores para reduzir o impacto no meio ambiente e proteger a biodiversidade‚ÄĚ, salienta Rui Cortes.

Um dos exemplos dessa investiga√ß√£o, desenvolvida no √Ęmbito do CITAB e do projeto Sustainsys – Sistemas Agroflorestais Sustent√°veis, financiado por fundos comunit√°rios – √© o estudo que avaliou o impacto de diferentes materiais utilizados em boxes de cavalo, na qualidade do ar interior das instala√ß√Ķes, nomeadamente nas emiss√Ķes de amon√≠aco e outros gases com efeito de estufa.

Al√©m disso, vai ser apresentada uma comunica√ß√£o sobre a inje√ß√£o de CO2 sob o leito dos oceanos para reduzir o efeito de estufa e as altera√ß√Ķes clim√°ticas, bem como os riscos associados a essa t√©cnica, e uma apresenta√ß√£o sobre a descontamina√ß√£o dos solos, atrav√©s da utiliza√ß√£o de vegeta√ß√£o que retira os metais pesados, diminuindo o efeito t√≥xico, e possibilitando a recoloniza√ß√£o vegetal.

Entre os principais receios dos investigadores na contaminação do ambiente constam os agroquímicos e os fármacos.

‚ÄúPreocupam-nos o excesso de compostos org√Ęnicos sint√©ticos (herbicidas e pesticidas), utilizados na agricultura, e que v√£o entrar na cadeia alimentar com efeitos de aumento ao longo dos n√≠veis tr√≥ficos,‚ÄĚ revela Rui Cortes.

Tamb√©m ‚Äúas centenas de novos compostos que surgem anualmente ligados √† ind√ļstria farmac√™utica‚ÄĚ, quer na medicina humana, quer na medicina veterin√°ria, s√£o motivo de apreens√£o pelas consequ√™ncias que ‚Äúv√£o ter nos ecossistemas, especialmente quando s√£o absorvidos pelos organismos vivos, uma vez que s√£o sintetizados para ter uma a√ß√£o biol√≥gica‚ÄĚ, acrescenta.

Todos os anos, cerca de 100 a 200 novos compostos org√Ęnicos s√£o processados e lan√ßados na √°gua. Os que aumentam ao longo da cadeia alimentar (bioamplifica√ß√£o) podem, a m√©dio/longo prazo, provocar diversas doen√ßas no homem, desde v√°rios tipos de cancro, redu√ß√£o da fertilidade, aumento da obesidade e de problemas cong√©nitos, at√© doen√ßas neurodegenerativas, cuja frequ√™ncia tem vindo a aumentar.

√ćndice de an√°lise de grau de polui√ß√£o vai ser apresentado no CICTA

‚ÄúDetermin√°mos um √≠ndice que √© capaz de integrar informa√ß√£o sobre numerosos produtos com impacto ambiental: desde a eutrofiza√ß√£o [polui√ß√£o por esgotos urbanos e industriais] aos contaminantes emergentes. O MELIS integra v√°rios m√©todos e deteta quais os efeitos de metais pesados, produtos industriais, medicamentos, pesticidas, etc.‚ÄĚ, explica Rui Cortes.

O MELIS √© um √≠ndice fi√°vel para an√°lise do grau de polui√ß√£o dos cursos de √°gua, desenvolvido por uma equipa multidisciplinar de CITAB, coordenada pelo especialista, e que dever√° ser implementado em Portugal, nos novos Planos de Bacia Hidrogr√°fica, e na Europa, pelos gestores e entidades p√ļblicas que avaliam e gerem os recursos de √°gua.

‚ÄúN√£o h√° tratamentos de √°gua para estes contaminantes. H√° cada vez mais compostos org√Ęnicos sint√©ticos que, mal entram no meio aqu√°tico, se transformam em novos produtos de composi√ß√£o desconhecida. O mesmo produto pode assumir dezenas de formas diferentes e vari√°veis ao longo do tempo‚ÄĚ, explica o investigador.

Além da discussão de temas relacionados com a contaminação e toxicologia ambiental numa perspetiva integrada, o CICTA pretende divulgar as atividades de Investigação & Desenvolvimento desenvolvidas na Península Ibérica e nos países da América Latina.

O evento decorre até sexta-feira, em Vila Real, e toda a informação complementar pode ser consultada na página oficial do congresso, em www.cicta2015.pt, ou através da rede social Facebook em www.facebook.com/pages/CICTA-2015-UTAD/929091637107932.